dezembro 3, 2014

O que é preciso para fazer um estágio na França

O Terra Notícias publicou um artigo sobre a importância de estagiar fora do país e explica que, com a crescente concorrência no mercado de trabalho, saber inglês já não surpreende quem está acostumado a selecionar candidatos. Falar outros idiomas e ainda ter uma experiência profissional no exterior ajuda muito a se sobressair entre uma pilha de currículos.

Alexandrine Brami, fundadora do IFESP, garante que o brasileiro está bem cotado em países que falam o idioma francês. “As empresas adoram estagiários daqui porque têm menos dificuldade com a língua do que, por exemplo, os orientais. E é um povo acostumado a estudar e trabalhar muito, então a carga horária não amedronta”, diz a francesa, que mora no Brasil desde 2002.

As corporações também são atraídas por esses profissionais porque estão ligados à alta tecnologia, são cheios de energia e, claro, são mais baratos. “Essa geração não tem medo de ir para o exterior. Ela quer fazer o que os pais não puderam”, afirma Alexandrine.

Um exemplo é Laura Waisbich, 24 anos, que já tem no currículo um mestrado na França e duas experiências de estágio fora do país. De julho a setembro de 2009, a bacharel em Relações Internacionais trabalhou em uma organização não-governamental (ONG) na Bélgica, que atende minorias étnicas e povos indígenas.

A ONG exigia que todo o serviço fosse realizado em inglês, mas era necessário saber francês para se virar no dia a dia. Isso ocorreu ao mesmo tempo em que Laura fez o mestrado na França, nas férias entre o primeiro e o segundo semestre de curso.

Depois do mestrado, Laura encontrou outra ONG, desta vez em Nova York, que precisava de alguém com seu perfil. A organização tem sede em Paris, e grande parte do trabalho era realizado em francês. A brasileira ficou trabalhando no escritório da ONG de agosto de 2010 a fevereiro de 2011. Essas experiências internacionais não chegaram do nada até Laura. Quando ingressou na faculdade, a jovem já começou a estudar francês. “Com um bom nível da língua, eu poderia tentar duplo diploma em Relações Internacionais na PUC”, afirma.

De volta ao Brasil, a profissional está confiante em conseguir um bom emprego. “Tenho certeza de que essas viagens são um grande diferencial. Não só por falar inglês e francês, mas por ser totalmente fluente. Na Bélgica, tinha que falar inglês, e nos Estados Unidos, o francês. Então pratiquei muito”, completa.

Para quem quiser seguir o mesmo rumo, é importante lembrar que é válido fazer uma pesquisa sobre que lugares estão mais em busca de profissionais com a sua formação. Alexandrine adianta que a França precisa de pessoas com conhecimento na área de cosmética, moda e marketing digital, enquanto que formados em enfermagem, química, informática ou em cursos relacionados ao meio-ambiente podem se dar bem na região canadense do Quebec, no Canadá. O francês também pode ser encontrado em países da Ásia e do norte da África, áreas carentes de especialistas em construção civil, saúde e educação.

Para estagiar na França, Alexandrine explica que é obrigatório estar inscrito em alguma universidade francesa. Então, a profissional aconselha a fazer uma Pós-graduação na França, que em tese dura dois anos, mas que pode ser realizada em nove meses. “A faculdade brasileira é equivalente ao primeiro ano, então o aluno já entra direto no segundo”, conta. Depois de estar estudando há seis meses é possível começar o estágio, que vai de três a nove meses. O pagamento mínimo por mês é de 500 euros.

Fonte: Terra Notícias

Você também quer viver uma experiência profissional na França e ter um perfil  que atrai várias empresas no mundo inteiro? Confie no auxilio do IFESP!
Para mais informações, entre em contato e/ou agende uma orientação acadêmica personalizada.

Website | + posts

Seja o primeiro a saber

Assine nossa Newsletter

Thank you for your message. It has been sent.
There was an error trying to send your message. Please try again later.

One Comment

  1. João Parreirinha 17 de agosto de 2020 at 19:43 - Reply

    Boa noite
    Tenho 58 anos, resido na zona de Lisboa onde conduzo autocarros desde o ano 2000. Fui recepcionista na Pousada Castelo de Alvito durante dois anos, falo e escrevo bem em Francês, nível médio de Inglês e de Espanhol, nível básico de Alemão. Tenho conhecimentos de informática (Word, Excel), fui bombeiro durante quinze anos, gosto de ler e de saber coisas novas, gosto de viajar, sou licenciado em História (Agosto/2020) pela Universidade Aberta, em Lisboa, gostaria de ter uma experiência a nível internacional pelo que procuro estágio remunerado ou um trabalho de acordo com a minha actividade curricular.

    Com os melhores cumprimentos
    João Parreirinha

Leave A Comment

Website | + posts