Sua porta de entrada para a França
  Loja Online

Como fazer para estudar engenharia na França

Estudar Engenharia França

A profissão de engenheiro é uma das principais oportunidades depois dos estudos científicos na França – mas precisamos saber o que se entende por engenheiro. O percurso de estudos para a profissão de engenheiro exige muito profissionalismo e constância: o Diploma de Engenharia francês é obtido após cinco anos de estudos.


Que setor optar para se tornar um engenheiro?

Com o relativo declínio da indústria e o crescimento dos serviços, a profissão de engenheiro tomou novos significados: se ampliou para tudo o que é projeto do sistema tangível ou intangível, que inclui agora sistemas de informação,de financiamento ou de consultoria. No entanto, as Escolas de Engenharia ainda permanecem na França, o principal pólo para a formação desses profissionais. A legitimidade dessas escolas é oficialmente aprovada pelo CTI (Comissão de Qualificações de Engenharia).


Diversas categorias de engenharia

A maioria dos engenheiros tem o título de engenheiro formado: eles foram treinados por cinco anos em uma Escola de Engenharia francesa, cujo diploma é, em geral, reconhecido oficialmente pela Comissão Geral dos Cursos de Engenharia. No entanto, é possível que um estudante, através de um diploma de Pós-graduação científica na França (como um mestrado MIAGE, Métodos Computacionais Aplicados à Gestão de Empresas) alcance posições como engenheiro, durante sua carreira.


Vários tipos de escolas

Escolas de Engenharia na França são extremamente numerosas: mais de 230! Elas se distinguem por seu status (privadas, públicas, vinculadas ou não a uma universidade), seu nível de recrutamento (essencialmente no primeiro ano ou depois do bacharelado) e a formação que fornecem (geral ou especializada).


Escolas privadas ou públicas

As escolas privadas francesas oferecem um diploma de engenharia reconhecido, assim como as escolas públicas francesas. Não há nenhuma diferença quanto a isso, pois elas são capacitadas pelo Estado, e seus diplomas são (quase sempre), aprovados pelo CTI. Escolas públicas têm status diferentes. Algumas delas têm uma história muito rica: A ENSTA (École Nationale Supérieure de Techniques Avancées) na ParisTech foi fundada em 1741 como Escola de Engenheiros-construtores de navios reais!

A Escola Politécnica, Les Mines ParisTech também são instituições antigas. Algumas escolas de engenharia estão ligadas a universidades, como as 12 escolas da rede Polytech. Outras têm o estatuto de EPCSCP (Escola Pública no campo científico, cultural e profissional) e não dependem de uma universidade: é o caso do INSA (Instituto Nacional de Ciências Aplicadas), de 20 escolas centrais, e da AgroParisTech.


Escolas em geral e escolas especiais

As Escolas de Engenharia francesas podem ser divididas em dois grupos, as escolas gerais e as escolas especializadas.

  • Escolas gerais:

Elas oferecem uma base de conhecimento comum para todas as profissões da Engenharia: elas formam engenheiros menos especializados, mas adaptáveis a diversos setores. A escola geral por excelência é a École Polytechnique. Contudo, é possível escolher uma especialização (por exemplo, em meio-ambiente, ciência da computação, engenharia civil…) durante os últimos dois anos do ciclo e orientará o estudante para a área onde quer trabalhar, sem fechar outras possibilidades.

  • Escolas especializadas:

Elas preparam para um setor bem definido. Assim, AgroParisTech oferece quatro cursos de treinamento: engenharia industrial agrícola e alimentar, engenharia rural da água e da floresta, engenheiros agrônomos e engenheiros florestais.

No entanto, a multiplicidade de caminhos e parcerias tende a diluir a distinção entre as escolas gerais e as escolas especializadas, de modo que os títulos são, por vezes, enganosos: escolas como o ISAE (Instituto Superior de Aeronáutica e Espaço) forma na realidade, engenheiros gerais.

 

Você quer estudar Engenharia na França? Conheça o  IFESP, o melhor instituto de francês do Brasil.
No IFESP, ajudamos os candidatos de todo o Brasil a montar o dossiê de candidatura para estudos e bolsas na França e a conduzir os trâmites administrativos relativos à inscrição, além de propor aulas intensivas de francês, exigidos pelas universidades francesas.

últimos artigos

Deixe uma resposta